Ocorrências digitais crescem nas escolas mesmo com medidas preventivas

No dia 30 de outubro, o Instituto iStart convidou educadores, gestores e especialistas da área de educação e tecnologia para o evento “Respeito e Proteção dos Dados Pessoais”, como forma de estimular o urgente debate acerca da formação de indivíduos mais bem preparados para lidar com os profundos desafios da Sociedade Digital.

O encontro foi separado em dois blocos, e o primeiro teve a mediação da Dra. Patricia Peck, presidente do Instituto iStart. Com a participação de Kaio Cesar Gomes da Silva (ETEPs), Alexandre Corso (SMED – Secretaria da Educação), Vahid Sherafat (ClassApp), Vitor Magnani (iFood) e Gustavo Figueroa (Social Blocks), os palestrantes apresentaram casos e experiências diversas em suas áreas, a exemplo da Certificação Escola Digital Segura.

ist1

A Dra. Cristina Sleiman, Conselheira Jurídica do iStart, mediou o segundo bloco de apresentações, que teve apresentações de Sandra Fodra (Secretaria da Educação  de SP), Dra. Maria Lucia Pizzotti (TJSP), Luiza Mendonça (AppGuardian), Gustavo Figueroa (Social-Blocks), Jose Colhado (PrivacyBr) e Adenisio Alvaro Oliveira de Souza (CGU).

ist2

Na ocasião também foi apresentada uma versão atualizada da pesquisa “Escola Digital Segura” sobre as ocorrências digitais mais comuns nas instituições de ensino do país, disponível AQUI.

A principal análise foi que apesar das escolas serem unânimes ao dizer que aplicam alguma atividade de prevenção ao bullying ou cyberbulliyng, como está prevista na Lei nº 13.185/2015, o índice de incidentes teve aumento de quase 10% em um ano. Outro destaque é que o uso do celular de modo a atrapalhar a aula cresceu quase 20% e os conflitos em grupos de WhatsApp (sejam de alunos ou de mães) permanecem como as principais causas de ocorrências nas escolas, representando 76,2% dos casos.

De todas as escolas pesquisadas, 88,1% tiveram situações envolvendo o mau uso da internet, mídias sociais ou WhatsApp. Coordenadora da área de Informática Educativa da Editora Positivo, Marileusa Guimarães de Souza, contou como foi seu apoio em mais uma versão do estudo, que está em sua 5ª edição neste ano.

Para encerrar o evento, o designer industrial Jean Pierre Chamouton apresentou o conceito na nova campanha  do Instituto, chamada de “Cidadania Digital”. O objetivo da iniciativa é informar sobre os direitos e deveres relacionados à proteção de dados pessoais de crianças e adolescentes , como forma de educar e orientar sobre a importância dessa prevenção no uso da Internet.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *